Contas a vida 360
Coaching Financeiro

Qual é a tua Mentalidade Financeira?

Quando queremos melhorar as nossas finanças pessoais, é normal pensarmos automaticamente no “Como?”.

Sabemos que temos um problema, agora, só queremos saber em como o resolver… certo?

Porquê devemos pensar em Mentalidade Financeira?

A nossa mentalidade de dinheiro é o que pensamos, sentimos e dizemos sobre nossas finanças pessoais. Afeta a nossa capacidade de fazer e ver mudanças significativas nos nossos hábitos.

O problema é que muitas vezes quando se decide fazer uns ajustes ao orçamento familiar, são apenas temporários e rapidamente se volta ao ponto inicial ou até em situações piores.

Porquê que isto acontece?

Porque começam-se a trabalhar automaticamente no “como” antes de pensar no que nos trouxe a essa situação.

Já te aconteceu pagar por exemplo um cartão de crédito apenas para ver o saldo aumentar de novo? então, sabes do que falo!

Podes ter o desejo de reduzir as dívidas, mas se não analisares o que te levou a estar nessa situação, faças o que fizeres, irás mais cedo ou mais tarde cometer os mesmos erros.

Como abordar a tua mentalidade Financeira?

1 – Identifique o seu porquê

A tua motivação é a resposta. Pode ser uma fonte interna ou externa. A motivação – é o teu “porquê”. É necessário ter um “porquê” definido por detrás do querer melhorar tuas finanças pessoais.

Responde às questões:

Qual é a motivação que te leva a querer mudar a tua situação?

Qual é a razão específica que irá ajudar a manter o foco quando as coisas ficam difíceis? 

2 – Prioriza os teus valores

Como sabes se a maneira como lidas com dinheiro reflete os teus valores?

Faz uma análise para onde teu dinheiro está a ir. Anota várias coisas que valorizas. Pode ser desde passar tempo com os filhos, desenvolvimento pessoal, viagens, etc.,. O que for que consideras importante na tua vida. Agora, avalia os últimos três meses dos teus gastos, olhando para o cartão de crédito e extratos bancário.

Dirias que onde gastas teu dinheiro reflete o que valorizas? 

Quando sabes o que é importante para ti, quando identificas os teus valores, automaticamente possuis os limites para os teus gastos e alteras a forma em como lidar com o dinheiro

3 – Mede as tuas palavras e pensamentos

Um apoio extraordinário à tua mentalidade financeira é o que escolhes dizer e pensar em relação à tua situação financeira. A nossa linguagem e os nossos pensamentos têm um enorme poder sobre as nossas ações. Se tens uma atitude negativa (por exemplo, “eu nunca vou ser capaz de mudar as coisas.”; “Eu sempre vou ficar preso nestas dívidas”, etc.), então estás de certa forma a selar o teu destino.

Por outro lado, se optares por enfrentar a tua situação financeira com uma atitude positiva, pensamentos e linguagem, as tuas ações seguirão o exemplo .

4 – Realiza seus objetivos abordando a tua Mentalidade Financeira

Trabalhar a tua mentalidade Financeira pode não parecer muito atraente. Afinal, queremos sempre tomar medidas tangíveis.

Planos e ações específicas são importantes e 100% necessários, mas se não estabeleceres o teu “porquê”, priorizares os teus valores e abordares os teus pensamentos e palavras, as medidas práticas que poderás tomar não serão eficazes.

A tua mentalidade Financeira alimentará os teus esforços ou os frustrará. Não importa o que estiveres a tentar alcançar, seja pagar dívidas, preparar a reforma ou poupar para uma casa ou carro, aumenta as tuas hipóteses de realizar teus objetivos, abordando a tua mentalidade de dinheiro.

Artigos Relacionados

Qual é a importância da Educação Financeira? (porque realiza sonhos!)

#desafio52semanas52Livros – “Pai Rico Pai Pobre” de Robert Kiyosaki

Armadilhas mentais para sabotar o teu Orçamento Familiar

2 comentários

Genericcialisonline 5 Abril, 2018 at 7:12

Obrigado pela partilha AKER! abraço

Responder
10 hábitos que te podem levar à falência! - Contas a vida 360 17 Abril, 2018 at 19:17

[…] são os nossos hábitos e comportamentos em relação ao dinheiro. Já falamos aqui sobre a Mentalidade Financeira e a importância de analisarmos a forma como racionalizamos as […]

Responder

Deixa um comentário