Contas a vida 360
Educação Financeira Endividamento

Como ler um Mapa da CRC (Central de Responsabilidades de crédito)?

Já falei aqui sobre o que é o mapa de CRC (Central de Responsabilidades de Crédito) e como podes obte-lo facilmente, bastando para isso ter a passe de acesso ao Portal das Finanças.

Este mapa mostra-nos a lista de todos os créditos que um cidadão dispõe em todas as instituições financeiras registadas em Portugal, quer seja como Mutuário quer como Fiador.

Este mapa é frequentemente solicitado quando é solicitado um pedido de empréstimo, pois é uma das formas que a instituição financeira tem de validar a capacidade da pessoa para pagar o empréstimo que está a solicitar.

O problema muitas das vezes, após retirar o dito mapa (passo a passo aqui), é perceber que informação que lá consta certo?

Então vamos lá a uma explicação muito simples!

O Mapa de CRC

Os campos apresentados no mapa:

1- Data a que respeita a informação – o CRC é atualizado mensalmente durante a segunda quinzena de cada mês, reportando ao final do mês anterior. Ou seja, por norma, um mapa retirado hoje, reporta com dois meses de atraso.

2 – Informação comunicada pela instituição: É cada instituição que reporta a informação e é ela a responsável pela a veracidade da mesma. Em caso de lapso é diretamente à instituição financeira que devem solicitar informações.

3 – Nível de Responsabilidade: Tipo de participação que o titular do mapa tem no crédito. Os mais comuns são:

a) Crédito individual:  O titular é o único titular do crédito

b) Crédito conjunto 1º mutuário: o titular do mapa é o primeiro beneficiário de um crédito em que existe outros.

c) Crédito conjunto outros mutuários: o titular do mapa é um dos beneficiário de um crédito mas não o primeiro.

d) Avalista ou fiador Individual: o titular do mapa é o único avalista/fiador do crédito

e) Avalista ou fiador Conjunto: o titular do mapa é um dos avalistas/fiadores do crédito

4 – Produto Financeiro: Instrumento financeiro ou finalidade do crédito.

5 –  Prazos: o prazo original é o prazo contratado para a amortização integral do crédito. O prazo residual é o prazo que medeia entre a data a que se refere o mapa e data para a amortização integral do crédito.

6 – Situação do crédito: enquadravel em:

a) Crédito efetivo em situação regular: crédito para qual está a ser cumprido o plano de pagamentos acordado.

b) Crédito Potencial: o saldo desde crédito não é um valor efetivamente em dívida, mas pode vir a ser no futuro caso venha a ser utilizado. Por exemplo, um valor aprovado mas não utilizado de um cartão de crédito

c) Crédito Vencido: crédito para o qual existem pagamentos em atraso. Dificilmente uma instituição bancária concede um credito a alguém que se encontra com informação de outro crédito vencido. Caso queiras solicitar um crédito, certifica-se primeiro de regularizar esta situação e retirar um mapa com a situação já regularizada.

d) Crédito abatido ao ativo: crédito em situação de incumprimento de pagamento, em que as expectativas de recuperação dos valores em divida são muito reduzidas, já tendo sido esgotadas as tentativas de recuperação adequadas.

e) Crédito Renegociado: crédito que, tendo entrado em situação de incumprimento, foi objeto de renegociação entre a instituição e o titular, sem apresentação de garantias e encontrando-se cumpridas as condições acordadas.

f) Crédito abatido ao ativo em litígio judicial: crédito em situação de incumprimento relativamente ao qual se encontra pendente uma ação judicial.

7 – Duração do incumprimento: Caso tenha falhado o pagamento de, pelo menos, uma prestação, este campo indica o tempo decorrido desde que essa falha de pagamento ocorreu.

8 – Prestação: Encargos mensais (prestação) que o titular suporta com o crédito.

9 – Saldo: Valor do crédito por pagar. Pode ser uma responsabilidade efetiva (isto é, um montante que o titular do mapa terá que pagar), ou potencial (um montante que o titular do mapa pode ir ter que pagar no futuro).

10 – Garantias: Tipo e valor das garantias associadas ao crédito, caso existam, (por exemplo o valor associado à hipoteca do imóvel).

Este mapa é essencial para qualquer análise de crédito mas também para qualquer pessoa compreender e ter uma visão alargada do total das suas responsabilidades a instituições bancárias. muitas vezes as pessoas solicitam créditos e não compreendem porque vêm recusados. Ao ter esta informação mais facilmente podem compreender e preparar o terreno antes de solicitar um empréstimo por exemplo.

 

Artigos Relacionados

A Caminho da Independência Financeira

Contas à Vida 360º

Como pagar o IRS em Prestações ?

Contas à Vida 360º

Lista Negra – Banco de Portugal

Contas à Vida 360º

2 comentários

Ana Mafra 9 Novembro, 2018 at 12:23

Bom dia, venho por este meio solicitar a v/ajuda com o seguinte problema.

Em anos atras pedi um emprestimo á COFIDIS, e o qual foi pago na integra.

Agora depois de 11 anos entraram em contacto comigo a dizer que eu tenho um emprestimo por liquidar.

Já solicitei as provas em como eu devo esse emprestimo, tais como : qual o banco para onde esse dinheiro foi, como é que eu

pedi esse segundo emprestimo, o contrato assinado por mim.

E não me informaram de nada. Só que já me enviaram um email a dizer que ou entro num plano de pagamento, ou irão me

penhorar algum bem que eu tenha em meu nome.

Sou viuva com uma única pensão de 230,00€ eque me podem fazer?

O emprestimo segundo eles é de 2011.

O meu muito obrigado pelo vosso conselho.

Ana Mafra

Por lapso escrevi o ano de 2011 e não é. Segundo eles é de 2007.

Responder
Contas à Vida 360º 21 Novembro, 2018 at 20:04

Ana,
Fez muito bem em pedir informações e NÃO ASSINE QUALQUER PLANO DE PAGAMENTOS sem ter a certeza que a divida é sua.
Se assinar um plano de pagamentos está a assumir que é sua e já não ha nada a fazer.
Com a sua pensão é impenhorável. não e deixe ir pela pressão de pagar pois não têm como a obrigar e têm a obrigação de lhes mostrar provas. se não mostram é porque não as têm.
Se for continuamente incomodada, faça uma reclamação no site do Banco de portugal por pressão psicológica e métodos abusivos.

Responder

Deixa um comentário