Contas a vida 360
  • Home
  • Empreendedor
  • Alteração do Regime de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes
Empreendedor Impostos

Alteração do Regime de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes

Alteração do Regime de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes

Foi publicado o Decreto-Lei n.º 2/2018, para informar aos trabalhadores independentes das principais alterações quanto  ao regime de Segurança social que irá entrar em vigor a partir de Janeiro de 2019. Tem como objectivo informar previamente todos os interessados e dar tempo para esclarecimento de dúvidas.

Proteção Social para Trabalhadores Independentes

No dia 1 de Julho de 2018, entram em vigor as alterações à proteção social dos T.I.

O Diploma do Governo altera os regimes jurídicos de proteção social nas eventualidades de doença, desemprego e parentalidade foi já promulgado.

Aguardando apenas publicação, e destaca-se as seguintes:

Regime de proteção na doença

Vão passar a ter direito ao subsídio de doença a partir do 11.º dia de incapacidade.

Atualmente têm direito a partir do 31.º dia de incapacidade.

Regime de proteção na parentalidade

Os trabalhadores independentes vão passar a ter direito aos subsídios para assistência a filhos e netos doentes.

Vão passar, também, a ter direito ao subsídio para assistência em caso de nascimento de neto, correspondente a um período até 30 dias consecutivos após o nascimento de neto que resida com o beneficiário em comunhão de mesa e habitação, desde que seja filho de adolescente menor de 16 anos.

Regime de proteção no desemprego

Prazo de garantia:

  • Todos os períodos de registo de remunerações, cuja taxa contributiva contemple a proteção no desemprego, podem ser considerados, se necessário, para cumprimento do prazo de garantia, independentemente do regime de proteção social em que o beneficiário estava enquadrado aquando do desemprego.
  • Passa para 360 dias, nos 24 meses que precedem o desemprego, o prazo de garantia dos trabalhadores independentes economicamente dependentes.

Alteram-se algumas condições de acesso ao subsídio por cessação de atividade:

  • Para quem está economicamente dependentes passa a ser necessário que tenham sido considerados economicamente dependentes de entidade contratante apenas no ano civil imediatamente anterior ao da cessação do contrato de prestação de serviços.
  • Para os empresários, a percentagem do volume de faturação da atividade para apuramento da redução significativa do volume de negócios vai passar de 60% para 40% no ano relevante e nos dois anos imediatamente anteriores.

A comunicação passa a ser obrigatoriamente efetuada através do Serviço Segurança Social Direta.

No caso de ainda não se encontrar registado naquele Serviço deve aceder ao sítio da internet em www.seg-social.pt, no topo da página selecionar a opção “Segurança Social Direta” e seguir os passos indicados para obtenção da senha de acesso.

Para mais informações  consultar a Folha Informativa.

Informação retirada em Segurança Social 

Artigos Relacionados

Retenção na fonte em rendimentos da categoria B

Contas à Vida 360º

Preenchimento da Declaração do Modelo 3 de IRS

Contas à Vida 360º

Como Declarar uma Herança no IRS – Guia da Herança – Parte IV

Contas à Vida 360º

Deixa um comentário